terça-feira, 5 de março de 2013

PROCESSO SELETIVO DA POLÍCIA DE VANCOUVER - CA



No contexto do policiamento comunitário, a Polícia de Vancouver desenvolveu um processo seletivo no início da década, que envolve a avaliação de diversas características: conhecimentos, habilidade física, características de personalidade, habilidades interpessoais, tolerância ao estresse, etc.

Que estratégias ou técnicas de seleção eram utilizadas para avaliar os prognosticadores de potencial?

1. Prova escrita (múltipla escolha e redação): gramática da língua inglesa, soletração, redação, compreensão e matemática. Ponto de corte: 65%

2. Exame físico: POPAT (Teste de habilidades físicas de policiais) - completar o circuito em 4 minutos e 15 segundos, correr 2,4 quilômetros em 12 minutos e um teste de força física.

3. Entrevista clínica: análise da história do paciente com foco em integridade, habilidades de solução de problemas (seria uma entrevista baseada em eventos comportamentais?), respeito à diversidade, orientação para o serviço comunitário, iniciativa e aceitação da responsabilidade. Investiga-se também os motivos para ingressar na carreira e qual é a compreensão que o candidato tem de polícia.

4. Polígrafo: apesar de ter sido proibido nos Estados Unidos, à época que colhemos os dados, um sargento qualificado para o uso deste aparelho verifica as reações relacionadas com a história passada e as qualificações pessoais dos candidatos. Observa-se que a técnica não é usada isoladamente.




5. Centro de Avaliação (Assessment Centre): É o emprego de técnicas de dinâmica de grupos e role playing (literalmente a tradução seria representação de papéis), ou seja, técnicas vivenciais, para observar habilidades do candidato. Observa-se: inteligência prática, integridade, confrontação com problemas, tolerância ao estresse, capacidade de aprender, iniciativa, decisão, flexibilidade, habilidades de observação, habilidade de comunicação oral, sensibilidade e tolerância interpessoais, habilidades de comunicação escrita e impacto pessoal. A partir do relato no documento acessado, vê-se que utilizam técnicas semelhantes às nossas provas situacionais, uma vez que há registro e avaliação (quantitativa?) das dimensões observadas.

6. Exame médico: preenchimento de questionário e teste de acuidade visual.

7. Investigação social: Comum nos meios militares, o responsável por esta etapa pode entrevistar novamente o candidato, checar referências de empregos anteriores e referências pessoais (família, vizinhos e amigos). Nesta etapa pode haver a recomendação de admissão, adiamento (refazer alguma etapa?) ou retirar-se o candidato do processo.

8. A decisão final fica a encargo da autoridade competente.

Neste processo, portanto, temos algo intermediário entre um processo seletivo de organização privada e um concurso público. No Brasil, algumas das etapas deste processo correm o risco de serem entendidas como subjetivas e serem eliminadas por autoridade do judiciário. Neste meio, portanto, há muito ainda o que se discutir para o emprego legal e legítimo da psicologia na seleção.