terça-feira, 23 de fevereiro de 2010

DISSERTAÇÃO TRATA DE VALIDAÇÃO DE CRITÉRIOS DE SELEÇÃO PROFISSIONAL



Orientada pela Dra. Elizabeth do Nascimento e por quem hora escreve, Alina Vasconcelos defende amanhã seu trabalho sobre validade preditiva de medidas psicológicas em processo seletivo de concurso público.
Alina estudou uma organização militar, que faz avaliação psicológica de seus candidatos com provas de conhecimento geral, teste de aptidão física, teste de inteligência (G36) e teste de personalidade (PMK).
Como não se fazia avaliação sistemática do processo seletivo, os dados estavam dispersos em diversos arquivos, alguns se perderam e gastou-se um bom tempo até desenvolver uma base de dados com cerca de 900 variáveis.
Para a maioria das análises estatísticas (descritivas e inferenciais, muitas técnicas não-paramétricas e de estatística multivariada) utilizou-se uma base contendo 248 sujeitos.

Os resultados são importantes para a Psicologia, posto que algumas destas técnicas são amplamente utilizadas em avaliação psicológica e são fonte de informação importante para a formação de juízo de psicólogos. O PMK, por exemplo, é amplamente utilizado na avaliação de solicitação de licenças para dirigir.

A Psicologia do Trabalho também é beneficiada com esta pesquisa. Este tipo de trabalho tem sido realizado amplamente no exterior, como se vê na revisão de literatura, e já existem padrões de validação de critérios e técnicas de seleção estabelecidos pela APA (American Psychological Association) e pela SIOP (Society for Industrial and Organizational Psychology). O domínio desta metodologia no Brasil concorre para o aumento da credibilidade do profissional e da justiça nos processos de seleção profissional realizados com avaliação psicológica.

quinta-feira, 18 de fevereiro de 2010

BLOG MUDA DE NOME


Opus é uma das muitas palavras latinas que se relaciona com o trabalho, sem um sentido parcialmente negativo, como é o caso de tripalium (instrumento romano de tortura em forma de pirâmide e instrumento agrícola de trabalho).


Os músicos usavam esta palavra para identificar suas peças e muitos são os instrumentos no meio acadêmico que a utilizam para identificar a produção dos professores e estudantes.


Nosso grupo de pesquisadores da linha "Políticas de Recursos Humanos" do diretório de Grupos de Pesquisa do CNPq adotou informalmente este termo para criar uma identidade própria.


Além, portanto, dos temas que temos tratado no blog, incluiremos a produção do grupo, informando os interessados com uma linguagem quase coloquial e remetendo às fontes da produção de todos os membros.


segunda-feira, 15 de fevereiro de 2010

TESE DE DOUTORADO É PUBLICADA


Está no prelo, com programação para lançamento no início de março, a publicação do livro "Voluntários: Um Estudo sobre a Motivação de Pessoas e a Cultura de uma Organização de Terceiro Setor."
Como já vim comentando em posts anteriores e em publicações de eventos e revistas, a tese busca recuperar três autores considerados antigos, mas de extensa obra dedicada ao tema: Abraham Maslow, Joseph Nuttin e David McClelland. A releitura destes autores mostra o quanto foram esquecidas e simplificadas suas conclusões e estudos, e possibilitou a construção de um modelo teórico voltado à análise dos processos de motivação de voluntários.
Ainda na primeira parte tenta-se superar a dicotomia entre indivíduo e sociedade, o que associa o tema da cultura (analisada em níveis diversos) ao da motivação, geralmente focalizada no indivíduo.
A pesquisa exploratória que deu fundamentação empírica (e propostas de reconstrução do modelo original), aconteceu em uma creche mantida por um convênio entre o poder público municipal e uma associação espírita.
A análise do Espiritismo mostrou-se necessária para a compreensão da motivação dos voluntários e de sua inserção na organização. Esta escolha metodológica sugere que no caso das organizações que não visam lucro, com presença significativa de voluntariado, a análise cultural não pode se resumir ao nível da organização ou da sociedade, mas envolve um nível intermediário, o dos movimentos sociais, políticos ou religiosos, que interferem na própria lógica de construção da cultura organizacional e na socialização secundária dos voluntários.

Esta opção mostra a limitação da proposta de simplesmente aplicar-se práticas de gestão oriundas da iniciativa privada em organizações de terceiro setor muito acolhida nos meios acadêmicos da administração. O foco nos resultados e na sua intensificação pode fazer perder de vista os processos, criando um ambiente que não atende às demandas do voluntário.

No caso em questão, a análise da história organizacional mostrou o abandono de um projeto quase todo baseado na mão de obra voluntária, por um convênio com o Estado, o que gerou uma relação essencialmente conflituosa entre empregados e voluntários, e culminou na territorialização do espaço e no quase abandono do trabalho voluntário no território mantido com trabalho profissional.

O livro pode ser adquirido diretamente com o autor (jadersampaio@uai.com.br) ou na Distribuidora do Centro de Cultura, Documentação e Pesquisa do Espiritismo - Eduardo Carvalho Monteiro (http://www.ccdpe.org.br) clicando na livraria virtual. O telefone do CCDPE é 011-5072-2211. Ainda não tenho o preço de capa e os custos de envio pelo correio, que serão divulgados a partir de março.

Convido todos a lerem e discutirem o livro com o autor, nesse espaço essencialmente democrático que é o blog.

terça-feira, 9 de fevereiro de 2010

VOLUNTÁRIOS NA REDE MINAS

O programa Planeta Minas, produzido pela Rede Minas, tratou do tema "voluntários" nestas duas próximas semanas.
Dirigido por Gil Lima, Carlos Augusto Soares entrevistou-me e saiu a campo em busca de depoimentos e vivências que ilustram a complexidade do tema.
Geralmente anônimo ou pouco conhecido, o mundo dos voluntários é um misto de satisfação e sofrimento, realização e impotência.
No primeiro programa, Carlos entrevista diversos voluntários na capital mineira, do Brasil e do exterior, prestando serviços em favelas, em hospitais, em comunidades e junto a meninos de rua.
Ele intercala algumas das conclusões e opiniões oriundas da minha tese de mestrado com as falas dos entrevistados e as imagens, que concretizam o conhecimento produzido, tornam-no cotidiano.
Meu agradecimento à produção do programa por possibilitar a participação neste projeto tão rico quanto importante à mineiridade.

terça-feira, 2 de fevereiro de 2010

NOVO LIVRO DE CHRISTOPHE DEJOURS


Figura 1: Christophe Dejours

O Prof. Jairo Eduardo Borges-Andrade nos enviou pela lista de discussão da SBPOT uma entrevista em periódico português do Prof. Christophe Dejours que está lançando um novo livro que trata de suicídio e trabalho. Ele faz uma análise interessante da degradação das relações de trabalho e dos efeitos indesejáveis de alguns instrumentos de Recursos Humanos.
Casos envolvendo da Renault, hospitais, universidades e outros locais de trabalho são usados como forma de ilustrar as afirmações muitas vezes contundentes.