sexta-feira, 28 de novembro de 2008

Método e Metodologia: Além da Simplificação


Figura 1: Livro de Metodologia Científica: Epistemologia ou Conjunto de Técnicas e Métodos?

Estava em uma banca de qualificação de doutorado e surgiu uma questão que mobilizou todos os professores presentes. Deve-se escrever métodos ou metodologia quando se descreve, em um artigo, que escolhas foram feitas pelo autor para construir (ou desconstruir) o conhecimento?


Algumas revistas têm adotado o termo métodos, ou, como nas ciências naturais, "materiais e métodos", para intitular esta parte. Outras revistas aceitam o título "methodology" ou metodologia.


O argumento de pareceristas fundamenta-se em uma suposta distinção entre metodologia (que seria a ciência ou estudo dos métodos) e os métodos em si.


Há autores que defendem esta posição como uma verdade universal: Kevin Hoover, por exemplo, em seu artigo "A metodologia da econometria" afirma que "A metodologia da econometria não é um estudo de técnicas particulares, mas um meta-estudo de como a econometria contribui para a ciência econômica". Ele situa a metodologia no mesmo status que a epistemologia, que é a área da filosofia que trata do conhecimento considerado científico ou rigoroso.


Valery Crawford já entende que metodologia é "um processo cíclico de pressupostos conceitualmente integrados, teoria, fenômeno e métodos, com o objetivo de utilizar dados apropriados para a elaboração da teoria".


Wilfred Carr, preocupado com a pesquisa ação, escreveu o livro "Philosophy, metodology and action research". Ele defende que muitos confundem método ou técnica com metodologia. Para ele metodologia está muito relacionada com a Epistemologia, que é conceituada como o estudo da teoria das origens, natureza e métodos de autenticação dos limites do conhecimento".


Outros autores de livro sobre metodologia, S. Gray, John B. Williamson, David A. Karp e John R. Dalphin já entendem que as questões de metodologia "exploram os princípios, os procedimentos e as estratégias de pesquisa", que é exatamente o que escrevemos em um capítulo ou seção de artigo sobre metodologia ou "métodos".


Lene Hansen, preocupada com o pós-estruturalismo das ciências sociais, chama a atenção do leitor para a desconstrução do conhecimento, e posiciona-se com Derrida, dizendo que esta só pode ser um não método, apesar de defendê-lo como um conhecimento rigoroso. Ou seja, ela defende a aceitação de um conhecimento científico não metodológico, ou uma metodologia da prevalência do racionalismo sobre a prescrição de métodos.


Há toda uma tradição epistemológica que discute até a existência de uma metodologia, como disciplina, postas as diferenças entre áreas e pesquisadores. A própria visão do festejado Kuhn, retira a discussão epistemológica da busca de um método universalmente aceito, para situá-la na chamada sociologia do conhecimento, ou seja, o que é aceito como científico por grupos de cientistas? A idéia de paradigmas envolve um "pacote" metodológico e teórico aceito em um dado momento no tempo que é substituído por outro, considerado capaz de explicar melhor um conjunto de fenômenos pelos pares.


Alexander Pechenin (russo) volta-se às bases da epistemologia. Ele mostra que os cientistas desejam eliminar a subjetividade (atitudes, emoções e reflexõs) com regras rigorosas, mas nunca conseguem trabalhar apenas com dados empíricos porque, por exemplo, os cientistas da natureza trabalham com modelos matemáticos, que tentam ajustar a seus dados. A metodologia entra "construtivamente" na análise dos dados. Assim, embora ele considere a metodologia como filosofia da ciência, ele admite que esta é reflexiva, por ser parcialmente filosofia e aceita a diferença entre ciências naturais e humanas.


Uma leitura rápida de alguns autores que escreveram sobre o assunto nos mostra que há quem entenda que a palavra metodologia deva ser reservada para um quase sinônimo de epistemologia, há quem entenda que metodologia é a explicitação dos caminhos adotados por um autor na construção de seu trabalho científico e há quem pense que metodologia é um termo inadequado, que ela não existe como área do conhecimento senão como história das escolhas, por que prevalece a racionalidade sobre as escolhas.


Penso assim, que se as revistas desejam padronizar o título métodos ou materiais e métodos como indispensável para a aceitação de um artigo, que o façam afirmando tratar-se de uma escolha do conselho editorial, mas que não se argumente que há erro, quando o autor prefere escrever o termo metodologia, posto que esta palavra é atualmente entendida pela comunidade científica com diferentes significados.

5 comentários:

  1. Muito interessante. Confesso que ao longo de toda a graduação escutei as mais diversas definições e, consequentemente, diferentes formas de distinguir método e metodologia. E essa confusão não teve qualquer solução. Não sei qual é o certo ou qual é o errado, mas,salvo engano, os principais periódicos relacionados com a psicologia do trabalho (Journal of Applied Psychology, por exemplo)chamam método os procedimentos utilizados na pesquisa: como foram coletados os dados, como foram construídas as escalas e administradas aos participantes, o tratamento estatístico de dados, etc. A parte epistemológica é tomada como garantida. O autor pode até não concordar com a denominação, mas para publicar terá que chamar método aquilo que é definido pela revista. De uma forma ou de outra, o texto reavivou o meu interesse sobre o tema, há muito esquecido por mim. Agradeço por isso.

    ResponderExcluir
  2. Muito boa a argumentação, pois esse tipo de detalhe rídiculo acaba sendo um entrave na cabeça dos pesquisadores iniciantes. A ciência perde muitos talentos em virtude do preciosismo de bobagens como esta.

    ResponderExcluir
  3. Esse é um assunto que muito me interessa, sobretudo porque sou uma pesquisadora iniciante. Quando estudo sobre método e metodologia, percebo que esses conceitos não ficam bem claros quando tento colocá-los na prática.

    ResponderExcluir
  4. Bom dia!
    Observando o excelente texto e os comentários sobre o assunto nos leva a refletir sobre o que aprendemos em nossos cursos sejam eles de graduação e de pós.
    De que maneira a metodologia é apresentada e quais são os primeiros conceitos repassados.
    Outrora, era necessário fazer um estudo quase que abstrato do mundo científico.O que nos afasta do que seria necessário a todos: a pesquisa.
    Acho que é necessário desmistificar realmente o ensino da metodologia científica, talvez uniformizar, para que possamos melhorar nossa prática

    ResponderExcluir